Uma senha sera enviada para seu e-mail

Auto-foco: Hayao Miyazaki

O Auto-Foco é um post que vai ao ar toda quarta-feira e traz, a cada semana, um artista em destaque. Seja animador ou motion designer, conhecido ou desconhecido, grande ou pequeno, vivo ou extinto; se for talentoso, o Auto-Foco o fará jus.

Hayao Miyazaki

É um daqueles nomes que são um dos pilares da história do cinema de animação mundial. Seu gênero ganhou o mundo, e em todos os lugares é reverenciado e respeitado pela sua vasta e significativa obra.

Se você gosta de animação, já deve ter assistido algum de seus filmes: Meu Vizinho Totoro (1988), Princesa Mononoke (1997), A viagem de Chihiro (2001), Castelo Animado (2004), dentre outros, pois a lista é longa.

Os filmes de Miyazaki, com suas criaturas fantásticas, paisagens pitorescas e desconhecidas, com aventuras cheias de movimentos, respiros e poesia, abordam temas recorrentes como a relação da humanidade com a natureza e tecnologia, e a dificuldade de manter uma ética pacífica. Nos seus filmes, ele costuma retratar os protagonistas como meninas fortes e independentes ou jovens mulheres. Outra característica comum é que a grande parte da sua obra cinematográfica prende-se com os antagonistas, que são apresentados como seres moralmente ambíguos e com algumas qualidades redentoras.

Princesa Mononoke (1997)

Simbiose de suas paixões: aviões, Ilustração e Animação e a figura materna

Hayao Miyazaki nasceu em 5 de Janeiro de 1941, em plena 2ª Guerra Mundial. Seu pai, Katsuyiki Miyazaki, era diretor de uma empresa familiar que fabricava lemes de aviões. Esse fato teve uma grande influência na vida do diretor que é um apaixonado por aviões e tem uma relação de amor e ódio com armas e guerras. Nos filmes de Miyazaki, em algum momento algum personagem vai voar, necessariamente.

Miyazaki também lembra muito sua mãe em seus filmes: durante boa parte da infância do diretor, ela esteve hospitalizada com tuberculose, situação semelhante à mãe de Mei e Satsuki em Meu Amigo Totoro. A referência à mãe reaparece em Dola de O Castelo no Céu, fato que ilustra sua importância na vida do filho.

Entretanto, o mais interessante foi que Hayao Miyazaki somente foi se interessar pela carreira de ilustrador e animador, aos 17 anos, após assistir o primeiro longa metragem colorido lançado no Japão em 1958, Hakujaden ou A Lenda da Serpente Branca, dirigido por Yabushita Taiji, uma produção da Toei Animation (Toei Douga). Eis que surge o mestre!

Vidas ao Vento (2013)

Do início da carreira à abertura do Studio Ghibli

Sua carreira começa de fato em 1963, quando ingressa no Studio Toei Animation. Seu primeiro trabalho é no longa-metragem Watchdog Bow WowMiyazaki passou por importantes studios de animação do Japão e produziu longas, séries e animes. Mas foi em 1984, com o lançamento do seu longa-metragem, Nausicaä do Vale do Vento, que Miyazaki e seu amigo e parceiro de trabalho Isao Takahata, decidiram abrir o então famoso Studio Ghibli.

A partir do nascimento do Studio, a carreira de ilustrador, roteirista e diretor de Miyazaki não teve respiro. Foram mais de 20 longas produzidos até então. Filmes que marcaram época, gerações e pessoas, pela sua sensibilidade, perfeição e beleza.

 

Projeção internacional e Oscar de Melhor Animação

Em 1996 o Studio Disney comprou os direitos de distribuir os filmes do Studio Ghibli no ocidente e foi com o lançamento do filme A Princesa Mononoke (1997), que Hayao Miyazaki se consagrou internacionalmente. O filme se tornou a maior bilheteira da história do Japão, faturando o equivalente a US$ 150 milhões, batendo E.T. – O Extraterrestre, ficando na primeira posição até Titanic estrear em terras nipônicas.

Após o sucesso do longa, o diretor anunciou o fim de sua carreira. Apesar disso, incapaz de largar a animação, Miyazaki voltou ao trabalho lançando, em 2001, o filme que lhe daria o Oscar de Melhor Animação, A Viagem de Chihiro.

Aposentadoria e retorno inesperado

Em 2013 lançou o que viria ser o seu então último filme, Vidas ao Vento, anunciando posteriormente em 2014 a sua aposentadoria definitiva dos longas metragens, dedicando-se apenas a projetos menores, como mangás e curtas para o Museu Ghibli. No entanto, mais uma vez o mestre volta a ativa e aos 76 anos decidiu fazer seu último filme, Kimi-tachi wa Dō Ikiru ka, algo que em livre tradução significa Como Você Vive?, que será lançado por volta de 2020. Será que vem mais uma obra prima por aí?

Vida longa ao mestre Hayao Miyazaki!

Textos que possam te interessar:

Comentários

comments