Uma senha sera enviada para seu e-mail

Auto-foco: Isao Takahata

O Auto-Foco é um post que vai ao ar toda quarta-feira e traz, a cada semana, um artista em destaque. Seja animador ou motion designer, conhecido ou desconhecido, grande ou pequeno, vivo ou extinto; se for talentoso, o Auto-Foco o fará jus.

Isao Takahata

Hoje o Auto-foco é especial e com um gostinho de um pesar nostálgico de quem lembra e vive as coisas boas que esse mestre da animação deixou pra gente como legado. Isao Takahata foi co-fundador dos Studios Ghibli, parceiro e amigo do mestre Hayao Miyazaki e um dos gigantes da animação japonesa e do mundo. Não gosto de pensar que perdemos um grande nome da animação mundial, mas antes, que toda vez que nos debruçamos sobre a obra desses artistas que se foram, que os eternizamos.

O diretor é reconhecido por obras como O Túmulo dos Vagalumes (1988) e O Conto da Princesa Kaguya (2013). Este último, indicado ao Oscar de melhor animação de 2015. Foram mais de 60 anos dedicados a animação

Ao contrário de diretores tradicionais de animes, Takahata não desenha e nunca trabalhou como animador antes de se tornar diretor. De acordo com Hayao Miyazaki, “Música e estudo são os seus hobbies”.

Segundo todos os relatos, Takahata tinha uma mente bela que buscava fundir o mundo do anime com filosofia e arte, tornando-a acessível tanto para adultos como para crianças e fãs de anime.

Takahata conseguiu seu primeiro trabalho no mundo dos animes na Toei Animation, em 1959. Na Toei, começou a trabalhar como diretor em diversos projetos, e já exibia suas principais características: nunca fazia um filme dentro do tempo e sempre estourava o orçamento previsto, tentando colocar sua cara nos projetos. Para se ter uma ideia, o último filme do cineasta, já pelo Studio Ghibli, O Conto da Princesa Kaguya, começou a ser desenvolvido em 2006 e foi finalizado apenas em 2013. Foram cerca de sete anos de produção: o diretor chegou até a se casar e ter dois filhos nesse período.

Takahata estava com 82 anos e no dia 05 de abril de 2018 veio a falecer. Ganhamos muito com a estada desse grande mestre nesse mundo e continuaremos a lembrar e perpetuar seu nome para as novas gerações de amantes da animação.

 

Fontes: Tecmundo, IGN, Studio Ghibli

Comentários

comments