fbpx

Como aprender Design?

Apesar do título, este artigo não é exatamente sobre como aprender design. É sobre estética. Obviamente, design é muito mais do que layouts lindos, mas, como Motion Designers, criar coisas esteticamente apreciáveis é muito importante e um baita desafio para alguns. Como ter o famoso “bom gosto”? Existe mesmo uma distinção do que é feio e o que é bonito, ou é tudo uma questão de gosto? Este artigo é uma reflexão sobre isso!

Eu ainda me lembro, recém saído da faculdade, quando tive que diagramar meu primeiro folder para um cliente real, no primeiro dia de estágio como Designer Gráfico. Foi um sofrimento! As teorias sobre tipografia, grid e cores que estavam frescas na minha cabeça das aulas da faculdade não me ajudaram nada na hora de fazer um layout que fosse simplesmente “bonito”.

Sempre via amigos melhores designers do que eu, que tinham o maior bom gosto em tudo! Quando aquele designer mais experiente vinha ver o layout “meia-boca” que eu tinha acabado de fazer, sentava no meu computador, mudava o tamanho de alguma fonte, ajustava a posição de um elemento ou outro e “UAU”! Estava 300% melhor só com alguns detalhes! Essa foi uma reflexão constante no decorrer da minha carreira: como se aprende a fazer isso?

A pergunta que não quer calar

Uma vez, meu amigo Alex Fernandino, (um dos melhores designers que eu tive o prazer de trabalhar) estava saindo da empresa para se mudar para Paris, onde depois conseguiu um emprego em um dos melhores escritórios de design do mundo, Ruedi Baur. Em uma reunião de despedida, eu fiz a ele essa pergunta: “Alex, como se aprende Design?”. Ele respondeu com uma palavra: “Vivendo!”

Me parece, então, que design é sobre ter referências. Para aprender a fazer isso, temos que treinar nossos olhos para observar o mundo. Tudo pode servir como referência e inspiração para a criação. Sair da rotina e, por exemplo, ir para o trabalho por um caminho diferente do que está acostumado, vai te ajudar a absorver estímulos diferentes durante o trajeto e isso, de alguma forma, vai contribuir para que você seja uma pessoa mais sensível. Afinal, ter um bom senso estético é uma questão de sensibilidade.

Você lê poesia? Já leu alguma em que você não entendeu nada do que o autor quis dizer? Sensibilidade é avaliar se o poema é bom ou ruim baseado no que aquelas palavras te fizeram sentir durante a leitura. Não tem a ver com o significado ou o sentido do texto. Se nos tornarmos mais sensíveis e observadores, vamos nos tornar melhores designers.

O primeiro passo é saber distinguir o bom do ruim

Os melhores designers não começaram a sua carreira com um extremo bom-gosto. Com o passar do tempo, tendo contato com vários projetos diferentes, nossos olhos vão sendo treinados primeiro, para identificar o que é legal e o que não é. Todos nós já passamos pela experiência de ter contato com algum trabalho que fizemos a anos atrás e achar aquilo horrível. Na época achamos bom. É um sinal de que nosso senso estético evoluiu junto com a nossa sensibilidade para o design.

Aprender design é como aprender uma nova língua. Nos estudos de um novo idioma, você começa a entender o que as pessoas falam antes de conseguir falar com desenvoltura. Falar bem deve ser o passo seguinte. No nosso caso, primeiro temos que conseguir distinguir o que é bom do que é ruim. Isso não significa, necessariamente, que você já será capaz de fazer bom design, mas seu senso estético estará mais aguçado para criticar, principalmente, o seu próprio trabalho. Essa é uma fase sofrida porque nem sempre sua habilidade de criar coisas bonitas acompanha a evolução do seu senso crítico. É a fase em que não gostamos de nada que nós mesmos criamos!

Bonito e feio é questão de opinião?

É claro que as pessoas têm opiniões diferentes sobre tudo. Mesmo assim, não acredito que o bonito é uma questão de opinião. Acredito que o belo está relacionado com duas coisas: cultura e natureza.

Existem construções sociais que, de certa forma, “ditam” no que é belo e feio em cada sociedade. Falando de design, os rótulos dos produtos em países orientais costumam ser bem “exóticos” para nossos padrões ocidentais. Super coloridos e as vezes meio “infantís”. Eles têm um senso estético bem diferente do nosso, mas mesmo assim existe uma construção social do que é bonito lá.

Depois de estudar sobre proporção áurea eu pude entender que a natureza também influencia muito no que consideramos bonito e feio. Proporções da natureza tendem a ser bonitas aos nossos olhos, tal como simetrias, equilíbrio… Isso está relacionado com o nosso processo evolutivo. Alguns estudos apontam que até as proporções das nossas moléculas e nosso DNA influenciam no que consideramos proporções agradáveis aos olhos.

Portanto, existe sim o bonito e o feito. Mesmo que seja uma construção social, produzimos trabalhos para a apreciação da sociedade e, portanto, devemos levar isso em consideração.

Se alimente de bom design

Todos os dias eu acesso o Behance para ver o que há de bom por lá. Quando você se deparar com um projeto que enche o seus olhos, se pergunte “o que faz deste trabalho tão bonito?” A resposta costuma estar nos detalhes. Paleta de cores, proporções, uso da tipografia, diagramação da cena… Um belo vídeo de motion é coerente em todos os elementos que o compõem, desde o uso das cores até a animação das tipografias e tradições. Um designer experiente vai olhar para um trabalho e simplesmente “sentir” que tal tipografia não combinou muito com tal ilustração, e que, portanto, há uma falta de coerência ali. É questão de sensibilidade.

Continue consumindo bons trabalhos, tentando entender o que faz deles tão bons, vá a museus, teatros. Consuma todo tipo de arte. Se você não gosta de ópera, vá a um concerto e tente entender porque tantas pessoas gostam. E, claro, ponha a mão na massa! Experimentar, testar, acertar e errar são coisas importantes para te fazer evoluir como designer e artista! Tenha paciência! É um processo natural e gradual.

Todas as imagens deste artigo, inclusive a capa, foram tiradas do site de Alex Fernandino, quem eu cito durante o texto.

Comentários

comments