fbpx

Jorge Canedo Estrada, também conhecido por Jr. Canest, é um dos grandes nomes do mundo do Motion Design. Boliviano, Jorge tem uma carreira brilhante, tendo trabalhado ao lado de artistas ilustres e sendo o criador do Wine after Coffee – canal do Vimeo onde faz uma curadoria do melhor do Motion Graphics -, bem como co-fundador do BLEND Festival ao lado de Sander van Dijk.  Estrada também atuou como Diretor Criativo na Giant Ant, e atualmente voa como freelancer nesse mundão.

Layer Lemonade – Você nasceu em Cochabamba, Bolívia. Há algo que se recorde de sua infância que tenha ajudado a crescer como artista? Quais eram suas influências nessa época?

Jorge Canedo Estrada – Com certeza! Eu passei toda a minha infância por lá, e só saí aos 15 anos; é realmente lá onde tudo começou. Adorava brincar com meus brinquedos e figuras de ação, e quando nossa família comprou uma câmera (era para o trabalho de meus pais, mas meu irmão e eu usamos MUITO), realmente se tornou o nosso brinquedo favorito. Nós a usávamos para fazer curta-metragens com nossos amigos, mas mais do que isso: fiz centenas de animações stop-motion e simplesmente amei dar movimento aqueles brinquedos. E fazendo isso , fui encorajado por minha família e amigos para seguir adiante, e isso ajudou muito.

Quanto a influências, tenho que dizer que meu irmão e meu amigo – que estava bastante em evidência na época -, me apresentaram a esse mundo e não olhei para trás desde então.

LL –Como foi o seu ingresso na Vancouver Film School? Como desenvolveu suas habilidades técnicas e artísticas?

 JCE – Ir para a VFS foi a razão pela qual percebi que poderia fazer animação profissionalmente. Antes disso, estudei Desenho Industrial, pois não estava 100% certo do que queria fazer e, por alguma razão, achava que precisava de uma graduação de 4 anos. Então, com esse vídeo aqui, ganhei uma bolsa de estudos integral por um ano inteiro; um verdadeiro presente de Deus, já que não seria capaz de pagá-la de outra forma. Mas na VFS não foi necessariamente o curso ou os professores que me ajudaram: foi o fato de estar cercado por alguns alunos incrivelmente talentosos. Nós nos ajudamos a subir, além do que era necessário, para criar o que queríamos criar; na maioria das vezes sem saber como fazê-lo e não nos importando muito com as notas do curso.

LL – Após o seu ingresso na VFS, você teve a oportunidade de trabalhar com dois grandes e admirados estúdios da nossa área: Buck e Giant Ant. Como foi essa experiência?

 JCE – Foi fantástico. Entrei na Buck como estagiário logo após a faculdade, e depois de uns meses me tornei um animador em tempo integral. O lance da Buck é que você está sentando ao lado dos melhores artistas da indústria, e se sente como se fosse o pior em tudo que faz, que não é bom o bastante em nada. Isso forçou-me a trabalhar duro e ficar melhor e melhor; estava bastante focado no trabalho na época. Mas então, queria voltar para Vancouver para trabalhar menos e me focar em viver. Assim, voltei para perto de minha namorada da época, agora minha esposa.

Agora, sobre a Giant Ant foi muito diferente: eu estava apenas procurando emprego na cidade e Jay foi incrível desde o início. Na Giant Ant (dado que estavam meio que começando na animação no momento), foi outra experiência fantástica, pois assumi um papel de liderança e tive de aprender um novo conjunto de habilidades que, caso contrário, não teria. A direção da Giant Ant faz de seu trabalho grande, e o cuidado que têm em seus projetos é algo que amo e tento imitar agora que estou por contra própria. Se um dia você puder, trabalhe em um desses lugares; não poderia recomenda-los o suficiente. Pessoas incríveis , projetos incríveis. Foi realmente uma honra ser parte deles.

LL – Em trabalhos como “Century Schoolbook”, é possível ver que desde sempre esteve preocupado com ritmo e sentimento nas suas animações. Como é o seu processo de criação? Qual o segredo para fazer vídeos como “Being A Dad” em um único dia?

JCE – Posso dizer-lhe com certeza que não há segredo para fazer isso. Você só tem de se sentar e descobrir como fazê-lo – depois de ter muita prática e continuar praticando. É isso aí.

Quanto ao ritmo, isso é algo que me importo muito nos meus vídeos. Acredito que o áudio é cerca de 60% do que torna uma peça incrível, é extremamente importante. Prefiro sempre ter a música antes da animação, então a animação segue a música e o ritmo; não o contrário. Para o Century Schoolbook, foi o que aconteceu. Toquei algumas notas no Garageband e usei isso para animar a peça depois.

 LL – Quais são suas ferramentas (hardware/software), de trabalho? E qual você recomendaria MUITO por ter mudado/facilitado bastante seu workflow?

JCE – Tenho um Macbook Pro na configuração máxima, pois gosto de máquinas que posso levar pra trabalhar em qualquer lugar. Aqui em minha mesa, o conecto a um LG Ultrafine 27 “e uso frequentemente minha Cintiq pequena de 13″.
Sobre softwares, todos os da suíte Adobe, como de praxe. Recomendo avidamente usar certos plugins para fazer de seu workflow melhor dentro After Effects, como ft-toolbar, CrpPrecomps, Gifgun, EaseCopy Ray Dynamic Texture.

LL –  Baseando-se no seu workflow atual, você considera essencial entender sobre “expressões” no After Effects para ter uma maior liberdade na hora de animar? Você recomenda algum material para quem tem interesse de saber mais sobre o assunto?

JCE – Definitivamente não é “essencial”, mas com certeza é uma coisa boa entender o mínimo, pois quando precisar pode ao menos fazer uso de algo simples para economizar tempo em tarefas demoradas ou repetitivas. Mas o trabalho vai se destacar em suas animações, não suas Expressões e, pessoalmente, acho que expressões nunca vão criar animações tão boas como aquelas que você gasta horas no Graph Editor. Não sei muito sobre Expressões, apenas o básico que aprendi ao usá-las, tentando entender o que faziam; não sou um perito em Expressões de modo algum!

LL – Você chegou a ser Diretor Criativo na Giant Ant e, de lá pra cá, já dirigiu diversas animações como freelancer. Que tipo de cuidado você toma ao assumir papéis como esse, em projetos que envolvam pequenas e grandes equipes, como em “The Biggest Story: The Animated Short Film”?

JCE – São papéis muito diferentes, – o de ser animador e gerenciador -, mas prefiro ter de confiar nas pessoas para fazer algo incrível. Às vezes não sou o melhor em explicar o que tenho em mente, por isso posso demorar algumas versões para chegar no take certo, mas de alguma forma chego lá. Também requer uma grande quantidade de organização para liderar grandes projetos, então faço planilhas que todos entendam para manter as coisas nos trilhos e para saber o que precisa ser feito.

LL – Por falar em “The Biggest Story”, como foi o processo de adaptar um livro ilustrado em um filme animado? Como surgiu a ideia deste projeto e como você fez para escolher os profissionais que iriam compor a equipe?

JCE – Diria que está mais para um livro animado do que um filme animado. A razão disso é porque a animação foi um reflexo após todas as ilustrações estarem prontas, por isso tivemos de ser muito inteligentes sobre como preencher o tempo da locução com as ilustrações limitadas que tínhamos. Assim, a primeira coisa que fiz foi criar animatics básico com as ilustrações que seriam divididas em shots e atribuídas aos animadores.

Foi ideia da Crossway dar vida a isso, e eu quase larguei o trabalho para focar meses em animar somente esse projeto, mas acho que o que acabamos fazendo foi mais inteligente!

Quanto aos incríveis animadores envolvidos, começou com apenas alguns deles que foram se familiarizando com o projeto e conceito; e eles me falaram de mais pessoas e eu continuei perguntando nas redes sociais se as pessoas estavam a fim de participar. Foi assim que toda a equipe se formou, todos em estágios diferentes.

LL – Quais as vantagens e desvantagens de atuar como freelancer? 

JCE – Honestamente, acho que é diferente para todos dependendo de quando em sua carreira as coisas ocorrem. Para mim, foi um grande passo a tomar – levando em conta que tinha trabalhado em grandes estúdios -, e aprendi muito. Também construí um nome antes disso, para ser capaz de obter projetos por conta própria. Algumas das minhas coisas favoritas em ser freelancer envolvem ser capaz de entrar em contato com as pessoas certas para o trabalho certo; ser capaz de colaborar com alguns dos meus artistas favoritos em todo o mundo; ter um horário flexível onde possa me organizar para passar um tempo com a família e também assumir projetos que eu realmente amo.

Adobe MAX: an experimental gif – via Behance

Quanto às desvantagens, existem algumas com certeza: muito mais trabalho de administração, por exemplo, mas eu estava meio acostumado a fazer isso enquanto trabalhava fixo e dirigia grandes projeto; até mesmo na Giant Ant tive de fazer um pouco disso. Outro ponto negativo é não estar cercado por pessoas talentosas, onde podemos perguntar-lhes o que pensam desta pequena animação ou simplesmente alguém para discutir ideias. Eu ainda faço isso on-line quando trabalho com outras pessoas, mas nada é como a vida real.

LL – Quando o assunto é inspiração, sabemos que o  Wine after Coffee sai na frente. Durante esses seis anos que você vem reunindo em um só lugar as melhores animações do momento, quais delas estariam na sua lista de top cinco de todos os tempos?

JCE – Bem, obrigado! Mas, honestamente, não posso escolher a esse ponto, é muito difícil…

LL – Quais os profissionais e estúdios que você mais admira atualmente? E com qual/quem você tem vontade de trabalhar?

JCE – Novamente, isso é muito difícil de responder, a lista é muito longa e precisaria gastar algum tempo para nomear meus favoritos! Mas posso dizer-lhe que foi incrível trabalhar com Chris Anderson, Phil Borst e Victor Silva em um projeto!

LL – Qual foi o seu primeiro contato com o ensino, na função de professor? E como está sendo a sua experiência de ter o próprio curso de Motion Design no Learn Squared?

JCE – Tenho feito pequenas conferências aqui e ali durante os últimos anos, e gosto muito de falar sobre motion design, mesmo para animadores mais talentosos; é muito legal poder compartilhar conhecimento. Sou grato a Ash Thorp pela oportunidade no Learn Squared.

É necessário muita preparação, mas é realmente incrível ver o que os alunos estão criando!

LL – Com apenas uma edição, o Blend Festival se tornou sucesso e um dos mais respeitados eventos de motion design do mundo. Conta pra gente como tudo isso aconteceu e quem são as mentes brilhantes por trás da organização. Quais são as novidades para a segunda edição? Alguma exclusiva, haha?

JCE – Obrigado! É uma longa história, mas de forma resumida eu sempre quis reunir a comunidade do Wine After Coffee sob um mesmo teto. A ideia era juntar artistas para falar apenas sobre animação e design, e depois de conversar com algumas pessoas, decidimos fazer e estamos ansiosos por mais! Neste momento sou apenas eu e Teresa Toews em Vancouver, Sander em NY e Cláudio em Londres.

Para a segunda edição, estamos com ainda mais foco em fazer as pessoas se conectarem umas com as outras, uma vez que não parece existir eventos apenas para motion designers.

LL – Além de toda responsabilidade profissional, você é casado e pai de um menino. Como faz para conciliar trabalho e família? Qual a sua rotina em um dia normal de trabalho?

JCE – Sou sim, e diria que além de ser marido e pai, eu também sou um animador. Para mim, a vida é realmente mais importante e quando assumo algum projeto, sempre penso como isso afeta meu tempo em família. É por isso que agora, mesmo que esteja como freelancer, tento trabalhar das 9 as 5:30, e isso me permite passar algum tempo de manhã com minha esposa e filho. Também nunca trabalho aos domingos ou verifico e-mails para poder ir à Igreja, passar um tempo com amigos e familiares e não me preocupar com o trabalho a todo momento; e eu adoro isso.

LL – Quais os planos e metas para Jorge Canedo? Você possui alguma última dica para quem está começando na área e tem aquele desejo profissional de “ser você” quando crescer?

JCE – Acho que a principal dica é continuar praticando e cercando-se com o trabalho e pessoas que admira, então você continua se forçando a fazer o melhor.

Quanto a mim, há um monte de planos (sempre um monte de planos), mas por agora estou pensando em criar um estúdio próprio e, caso crie mesmo, que tipo de estúdio seria, pois não estou interessado em criar algo simplesmente por criar. Quero ser capaz de ainda trabalhar com as melhores pessoas da indústria e ter as liberdades de freelance, mantendo um pequeno estúdio.

RAPIDINHAS

LL – Flat ou Texture?

JCE – Os dois!

LL – Flash ou Photoshop?

JCE – PS.

LL – 2D ou 3D? 

JCE – 2D

LL – Limonada ou suco de laranja?

JCE – 100% suco de laranja!

Última pergunta: Você precisa vir ao Brasil e fazer um Blend Festival aqui, seria um sucesso. Aliás, uma ideia: Poderíamos mesclar Blend com Layer Lemonade, e fazer um Blend-Lemonade-Festival, hahaha, O que você acha?

JCE – Parece muito divertido! Tivemos muitas pessoas pedindo para fazer o Blend em cidades diferentes. Não tenho certeza se isso vai acontecer, mas é definitivamente algo que precisamos prestar atenção!


O Layer Lemonade agradece imensamente a participação de Jorge Canedo Estrada que prontamente aceitou a entrevista. Desejamos tudo de melhor em sua carreira e que, em breve, voltemos a a conversar pessoalmente no Blend Festival!

Comentários

comments