fbpx

Você, querido Motion Designer, chega em casa cansado depois de um dia longo de trabalho. As vezes abre uma cerveja, toma um banho e senta no sofá pra descansar. Quem sabe assistir um filme ou série, ou quem sabe jogar um pouco de vídeo-game? Se você, assim como eu, gosta de games, eis uma excelente notícia: eles fazem de você – se for esperto -, um artista melhor.

A Alta-Indústria dos anônimos do Motion Design

Quando falamos em “buscar referências de Motion Graphics”, a primeira coisa que nos vem em mente é: Vimeo. Beleza, não é uma decisão ruim, mas porque se limitar apenas ao Vimeo ou portfólios?

Quando assistimos filmes, séries ou mesmo ao desbloquear o celular, estamos assistindo e interagindo com Motion Design. E no caso dos games, a coisa fica ainda mais séria.Se você tem um console em casa, seja qual for, ligue-o agora e observe apenas o menu do negócio. Só aí temos um incontável número de animações de extremo bom gosto, geralmente negligenciadas por nós. Agora, escolha um game qualquer e vá joga-lo com essa perspectiva de estudo. A experiência é, no mínimo, chocante.

Na indústria dos games está a nata da nata dos artistas digitais. Não somente programadores, designers, roteiristas, diretores de arte, animadores 3D/2D e um sem-número de artistas de áreas que, talvez, nem sonhamos. Agora coloque a rapaziada do Motion Graphics nesse balaio e veja o resultado. Espetacular.

De Super MarioElite: Dangerous

Jogar vídeo-game é um negócio informal e prazeroso. Mas pode ser usado em favor artístico, caso queira. Em minhas sessões de jogatina, estou sempre observando menus de pause, transições de tela, animações de loading, animações de save point e etc. A lista é imensa e povoada por Motion Design do mais alto nível; além de uma direção de arte escabrosa de foda. Tudo isso são referência incríveis que, na maioria das vezes, passa batido por nós.

o interessante é que em QUALQUER game conseguimos extrair conteúdo, seja ele adulto-foto-realista, ou mais coloridão, quer ver? Peguemos um game como Super Mario 3D World do WiiU. Vejamos algumas de suas animações de menus e botões:

Perceberam o timming, a maciez e sutilezas? Tem muita coisa acontecendo aí, e num relance pode-se perde muitos pormenores.

Super Mario 3D World é um bom exemplo de jogo moderno e estilizado com um punhado de animações que são prato cheio pra estudiosos do Motion. Mas além disso, vamos ver outro game mais sci-fi, o Elite: Dangerous. 

Esse game dá uma aula de HUD animation, com coisas interagindo com o jogador e efeitos de glitches que nunca tinha visto antes. Eu não possuo esse jogo, mas assisti vários gameplays via YouTube apenas pra ver as animações de HUD.

Claro que apenas reuni uma ínfima parcela dos detalhes desses games, e também não vou enumerar os jogos que contém ótimas referências. Por isso, é importante que pesquisem ou joguem observando esses detalhes, pois eu mesmo já usei várias animações desse tipo como referência para projetos.

O mundo é dos espertos

Não tem jeito, o mundo é dos espertos. Mas no bom sentido, claro. Isso quer dizer que se você, como Motion Designer, absorver o mundo a sua volta “como Motion Designer”, terá 24hs por dia de inspiração.

Os games, por serem uma arte puramente digital, exercem grande influência em meu trabalho em todos os aspectos. São produtos criados pelos melhores artistas do mundo, mas que consumimos sem dar grande importância a sua “criação”, sua arte.

Então, na próxima vez que ligar um The Witcher 3, dê uma sondada nos menus e coisas que vão além do simples jogar. Seu “eu artístico” agradece.

Comentários

comments