fbpx

Dando continuidade à nossa querida série com matérias de cunho informativo – que visam a ajudar naquelas pesquisas por referências mais direcionadas -, trazendo termos aparentemente desconhecidos por muitos profissionais da nossa área; chegamos ao artigo de número dois. Arriscaria dizer que esse tema não só é desconhecido por quem está começando agora, como acredito muito que existam vários profissionais experientes que não fazem ideia da existência do Memphis Design.

Ah! Caso ainda não tenha visto, confere nossa primeira matéria da série e entenda o que danado é HUD – e como se pronuncia.

Memphis Group

Ettore-Sottsass-1969 | via Wikipédia

Ettore-Sottsass-1969 | via Wikipédia

A parada começou em Milão, na Itália, por volta de 1980, com a iniciativa de Ettore Sottsass, um designer industrial – conhecido pela sua Valentine Portable Typewriterque fundou o Grupo Memphis, uma equipe composta por 12 designers e arquitetos que tinham em mente desconstruir os padrões da época. A origem do nome “Memphis” veio supostamente da canção de Bob Dylan “Stuck Inside of Mobile with the Memphis Blues Again“, a qual esteve presente durante todo período da primeira reunião do grupo.

O grupo ficou por volta de seis anos na ativa, produzindo os mais variados móveis com madeira, plástico e cerâmica. As inspirações convergiram de movimentos semelhantes, como: Art Déco, Pop Art e o Pós-Modernismo (PoMo). A identidade do grupo sempre prevaleceu nas peças com formas geométricas imersas em cores contrastantes e brilhantes. Elementos mais sutis, com contrastes mais tímidos entre preto e branco eram bastante incomuns. Hoje em dia, os móveis se encontram guardados por colecionadores e vez ou outra em galerias.

Foto via Dennis Zanone da sua coleção privada de Memphis design na sua casa.

Foto via Dennis Zanone da sua coleção privada de Memphis design na sua casa.

Memphis, o retorno

O retorno do memphis é bastante recente, pois foi por volta do início de 2014 quando a estilista Nathalie du Pasquier, integrante da formação original do Grupo Memphis, desenhou uma linha de roupas para American Apparel. As estampas foram inspiradas pelo seu próprio estilo criado na década de 80. Apesar de seu foco estar voltado agora para roupas e pinturas, a fabricante de móveis Hay se prontificou a criar uma coleção com móveis inspirados pela artista.

via theblogazine

via theblogazine

Em uma entrevista para a revista Dezeen, du Pasquiser afirma que se surpreendeu com a demanda para trazer de volta seu antigo estilo.

“Recomecei de onde parei e agora tenho que colocar a máquina de produção em movimento de novo. (…) Estou experimentando criar para outros setores, tipo têxteis. Caso receba convites para produzir, com certeza ficarei muito feliz em colocar a mão na massa.”

Memphis e Motion

Apesar do Layer Lemonade ser um blog totalmente focado em animação e motion graphics, vale ressaltar a importância de ser um profissional curioso e pesquisar além do campo de animação-motion. Busque referência e se inspire pelas coisas que estão também fora do seu computador e saia da zona de conforto. É dessa libertação criativa que muitos profissionais se destacam e ganham notoriedade pela comunidade.

Algumas características interessantes do Memphis Design em animações como essa acima são ressaltadas pelo uso de um ótimo e também diferente, sound design. Já perceberam como os sons desse tipo de conteúdo tendem a se apropriar de efeitos não lineares e com gostinho dos anos 80? Pois é, amigo(a), nunca foi uma mera coincidência.

Os ícones geométricos e cores contrastantes são as duas características primordiais herdadas do Group Memphis, porém podemos listar algumas outras, como o uso de muito, mas muito patterns e das famigeradas candy colors, aquelas cores mais de-saturadas e voltadas para o público infantil; strokes preto com bordas arredondadas e preenchimento deslocado do stroke também são comuns. Experimente ainda o uso de movimentos curtos, cortes secos e mini loops pela tela. Uma ótima aplicação desse estilo de design ao motion graphics foi essa peça aqui para o Blend Fest 2015, que por sinal teve a sua ID totalmente voltada ao Memphis Design.

Apesar das referências acima partirem de um mundo 2D, existem animações 3D com a mesma proposta, basta pesquisar um pouco mais. Agora que você tem a faca e o queijo nas mãos, use as melhores ferramentas de busca -como Behance, Pinterest, Dribbble e o próprio Google -, e seja feliz.


Conclusão

Acredito que este seja um dos estilos de animação mais democrático na atualidade, pois todo e qualquer profissional que tenha o bom senso e feeling pra saber o que fica agradável ou não aos olhos, tem a possibilidade de criar coisas incríveis apenas com formas geométricas, sem necessariamente precisar desenvolver aquela ilustração topzera das galáxias para animar.

É bom para quem está começando, bem como para profissionais experientes. Só arriscaria dizer que também é interessante ficar atento ao possível exagero e ao meio de aplicação. Por ser algo bastante recente, a ideia talvez não seja aceita por muitos, mas claro, sem repressão na hora da criação.

Byron Segundo nos contou um pouco em um Papo Lemonade sobre sua marca de produtos que segue essa pegada do Memphis. Dá uma conferida lá pra saber como é. Ah! E se liga no designer João Faissal, porque o cara possui um estilo muito próprio, bem na onda do Memphis.

E você? Já produziu ou conhece alguém que trabalhe bem com esse estilo? Fala pra gente através dos comentários o que você achou da matéria e manda aí novas referências para a comunidade.


Fonte: Wikipédia, Gizmodo, Dezeem The Blogazine

Comentários

comments