As diferenças entre GPUs de notebooks e desktops

Nós sabemos a importância de um bom conjunto de hardware na hora de trabalhar. Contudo, nos últimos tempos as GPUs (placas gráficas), tornaram-se peças-chave para alguns artistas, principalmente para aqueles que usam aplicações aceleradas diretamente por placas de vídeo. 

Também tivemos uma evolução tremenda da parte dos notebooks, com modelos realmente poderosos e disponíveis para quem precisa trabalhar pesado, mas com mobilidade. Há diferenças cruciais entre qualquer peça de um notebook e desktop. Exemplo disso é a GTX 980, placa gráfica com poder suficiente para rodar games VR. Sua versão de notebooks – GTX 980M -, já não permite tal façanha.

Por isso, é importante saber as diferenças principais entre notebooks e desktops, pois a mobilidade pode ser atraente, mas muitas pessoas acabam comprando gato por lebre.

GPUs “M”

Considere o quanto de espaço existe em um notebook, contra o espaço existente em um desktop. Mesmo notebooks Pro como os Alienware possuem muito, muito menos espaço para hardware, certo?

A falta de espaço em notebooks sempre foi o motivo para se usar diferentes placas gráficas, especialmente desenhadas para aquele tipo de corpo. A NVIDIA normalmente nomeia suas GPUs de notebook da mesma forma que as de desktop, acrescentando apenas o “M” após o número (isso mudou na série 10). A AMD faz algo semelhante para diferenciar os tipos de GPUs.

A arquitetura das GPUs “M” é a mesma de suas parentes desktop, mas esse é o único ponto em comum que elas possuem. Se pegarmos a AMD Radeon R9 380 e comparamos com a AMD Radeon R9 M380 percebe-se que a versão “M” possui cerca de metade do poder da outra.

 

Category AMD Radeon R9 380 AMD Radeon R9 M380
Memory bandwidth 176GB/s 96GB/s
Clock speed 970MHz 900MHz
Shader units 1792 768
Texture mapping units 112 48
Video composition 97.9 frames/s 47.87 frames/s
Pixel rate 31.04 GPixel/s 16 GPixel/s
Compute units 28 12
Render output processors 32 16
PassMark score 5600 3047

 

E mesmo que você não saiba o que pixel rates e texture mapping units significam, está claro que a R9 380 desktop destrói sua versão “M”. E o mesmo pode ser dito sobre a geração 9 da NVIDIA. Vejamos como a GTX 980 se sai contra sua prima GTX 980M.

 

Category NVIDIA GeForce GTX 980 NVIDIA GeForce GTX 980M
Memory bandwidth 224.4GB/s 160.4GB/s
Clock speed 1753MHz 1253MHz
Shader units 2048 1536
Texture mapping units 128 96
Texture rate 136.2 GTexel/s 99.6 GTexel/s
PassMark score 9712 5596

 

Isso sem contar que a GTX 980 possui 2048 CUDA Cores contra 1536 da “M”. Novamente se vê que o modelo “M” sofre na mão da versão normal.

O futuro das GPUs

A novíssima série 10 da NVIDIA (GTX 1050, GTX 1060, GTX 1070 e GTX 1080), deixaram de usar o “M” em suas versões de notebook. O motivo? Parece que podemos esperar praticamente o mesmo desempenho em ambos os modelos.

Por exemplo, ambas versões da GTX 1080 possuem 8GB de GDDR5 VRAM e 2560 CUDA Cores. Talvez a principal diferença seja na velocidade de clock, onde a GTX 1080 para notebooks fica para trás. Mas mesmo não sendo idênticas, não veremos nada além de 5 ou 10% de diferença entre elas. É uma boa notícia para quem quer usar um notebook para trabalhar com aplicações que usam aceleração GPU.

Desktop ou Notebook?

Depende. Sua necessidade como profissional deve ser colocada na mesa quando for optar por um notebook ao invés de desktop. Notebooks são bem mais caros do que desktops. Algumas versões do Alienware custam mais de 12 mil e vem com uma GTX 970M. É muito dinheiro para se ter uma tela de 15″ com um processador de 6M de cache. Pela mesma quantia compra-se um excelente desktop com uma GTX1080 e um monitor 4K de 34″.

Então, antes de sair pra comprar um notebook, sempre veja as diferenças entre as peças “M” – por assim dizer -, em contrapartida com suas versões desktop.


Fonte: Windows Central | NVIDIA

 

Comentários

comments