fbpx

Ser produtivo, eficiente e criativo é complicado em nosso ramo. O mundo é competitivo e, mesmo quando estamos dormindo, há alguém criando, aperfeiçoando e, invariavelmente, sendo melhor do que nós. Isso gera ansiedade, medo e estresse. Gera também a famosa procrastinação – o ato de adiar determinadas coisas, prolongar outras, não terminar aquilo ou simplesmente “deixar pra lá”.

Um mal entendido comum é afirmar que “se você faz o que gosta, logo será produtivo”. Vamos mais longe, pois há também quem diga que se você tem problemas em finalizar determinadas coisas, é preguiçoso. Nem lá, nem cá.

startup-photos

A verdade é que muitas pessoas adiam projetos, tarefas ou mesmo um estudo para aperfeiçoar uma técnica regularmente; e o real motivo gira em torno da ansiedade, medo de falhar e estresse. Quando se trabalha no campo criativo, espera-se que sejamos ferozes: todos os dias acordamos e continuamos a busca incansável por uma ideia original e única. Mas já dissemos aqui no Layer Lemonade que ideias originais e únicas não existem – ao menos não da maneira que imaginamos.

Porém, há algumas coisas que podemos fazer para permanecermos focados. Isso permite que façamos nosso trabalho de maneira simples e divertida, e quando isso ocorre, é bem menos provável que procrastinemos.

Defina metas alcançáveis

A regra mais importante e prática é: evite criar metas impossíveis. O dia tem apenas 24 horas, e dessas – se formos espertos -, usamos metade para trabalho. Se você possui uma lista de coisas a fazer em seu trabalho, e essa lista é repleta de grandes metas não é difícil imaginar os motivos de abandona-la já, já. São muitos objetivos num único pedaço de papel – e sabemos que qualquer coisinha em animação é complicado -, e vão parecer impossíveis de serem realizados; então por que se incomodar?

writing-notes-idea-conference

Assim, ao invés de criar metas como “animar uma cena inteira hoje”, tente algo como “deixar a cena pronta para animar” ou ainda “animar X coisas somente”. Ao dividir grandes tarefas em pequenas, o trabalho se torna mais gerenciável, percebemos resultados mais rápidos e sentimos que há progresso acontecendo.

Ir no passo-a-passo é uma incrível técnica para se fazer grandes coisas. Em geral, meu dia funciona absolutamente dentro de um cronograma desse tipo. Por saber exatamente o tempo que levo para fazer determinadas coisas, não me comprometo a fazer algo além disso. Faço o que faço, mas não adio o que posso fazer.

Evite a perfeição

Isso pode soar esquisito para nós. Nossa área tem por excelência entregar projetos incríveis que se sobressaem acima do resto. Nós nos sentimos na obrigação de criar o “o melhor trabalho” toda vez que começamos um novo projeto. Sei como é.

Mas se lembre de uma coisa: jamais será perfeito. Isso é apenas a natureza das coisas. As condições nunca serão ideais, prazo, orçamento, clientes e uma miríade de fatores que asseguram que algo não é perfeito. Isso é a percepção humana do Perfeito, pois algo que é para mim, pode não ser para você.

summer-office-student-work

Então, não estresse. Faça o melhor possível, mas se lembre de que o projeto precisa ser finalizado no prazo, condizer com o que está sendo pago, agradar o cliente e, seguindo essas métricas, siga em frente. Algo interessante que costumo fazer é ir do início ao fim do projeto e, se der tempo, voltar e ir lapidando. Isso me permite entregar o projeto que o cliente pediu, mas também aperfeiçoa-lo o máximo possível.

Se mantivermos a percepção de fazer um “bom trabalho” ao invés de sermos perfeitos, evitamos algumas armadilhas psicológicas como o medo-de-falhar-e-consequentemente-procrastinar.

Medite

Pode parecer confuso sugerir algo que, para alguns, parece procrastinação. Digamos que o prazo de seu projeto está apertado, você está com a corda no pescoço, e então você resolve parar tudo e meditar? Sim, é bem isso.

Há inúmeros motivos para que usemos a meditação a nosso favor. Não entrarei no mérito esotérico da coisa (se quiserem saber mais sobre isso, ou sobre minha experiência em meditação, basta ouvir a edição do FODA em que participo), mas sim na parte mundana-benéfica que a meditação proporciona.

Primeiramente, a meditação ajuda a nos manter centrados, relaxados, atentos e focados. Um simples sentar, fechar os olhos e respirar sem pensar em nada – sim, meditar é o estado de não pensar em nada, não fazer nada, não querer nada, não mover nada, não esperar nada, etc, etc -, pode tirar grandes interferências de sua cabeça, ajudando a terminar ou encontrar determinadas soluções antes não vistas.

Tente por cinco minutos, depois 10, depois 30, depois uma hora. Imóvel, sem fazer nada. Acredite, o ato de simplesmente não fazer nada trará um controle praticamente absoluto em seu cronograma diário. Com o tempo e entendimento, a meditação pode não só ajudar sua disposição, como também a transcender certas limitações antigas, gerar processos criativos ou tomar decisões inteiras.

Após meditar, volte aos seus afazeres e preste atenção no que mudou.

Aproveite o seu trabalho

Dissemos que trabalhar com o que se gosta, não nos torna automaticamente produtivos. Isso é verdade, mas fazer o que se gosta é parte essencial.

Em nossa área, há técnicas, projetos, tarefas e clientes que não gostamos tanto assim. É normal, somos humanos, não precisamos sorrir a todo momento. Mas por estarmos no ramo que apreciamos e adoramos, para cada coisa desgostosa há, certamente, duas que gostamos. Use essas “duas” como motivadores.

Por nem todo projeto ser divertido como um todo – passo por isso muitas vezes -, encontre os pontos interessantes nesses casos. Há sempre algo há aprender ou fazer com que seja divertido, mesmo em trabalhos chatos.

Meu processo ao abordar projetos enfadonhos é simples: procuro as partes divertidas, intercalo-as com as chatas, termino tudo da melhor maneira possível e sigo na direção de projetos mais bacanas.

Limite seu tempo

Essa parte pode gerar mais ansiedade em alguns, mas na verdade é uma excelente ferramenta para evitar procrastinação. Estar em sintonia com o “evite a perfeição”.

Há uma expressão que diz “o trabalho infla e preenche o tempo”. Isso quer dizer que se você tem uma hora para fazer uma tarefa, vai demorar uma hora. Se tem todo o dia para a mesma tarefa, vai demorar o dia todo. Ou seja: se dermos a nós mesmo muito tempo para completar algo, pode ter certeza que gastaremos a maior parte desse tempo procrastinando e arrastando até o último minuto.

pexels-photo-51171

Faça o contrário: perceba quanto tempo certas tarefas exigem de verdade. Crie deadlines realistas baseadas nessa observação simples, mas não extravase o necessário. Caso termine no tempo proposto, vá para a próxima fase do projeto ou vá descansar, meditar, etc.

Gerenciar seu tempo é ter a vida na palma da mão. Em pouco mais de cinco anos trabalhando com Motion Design, nunca virei uma noite trabalhando e raramente, muito raramente, trabalho aos finais de semana. Não quer dizer que estou absolutamente desconectado do trabalho, mas quer dizer que me dou ao direito de levantar, ir para casa e passar o fim de semana sem animar keyframes.

Seja gentil consigo mesmo

Nenhum de nós é perfeito. Não importa o quão duro tentemos, não importa o quão disciplinados sejamos: em algum momento falharemos. Alguns de nós mais do que outros. Isso é bom. A falha é virtude disfarçada de lobo. Ela nos torna mais reais. Aprendemos mais com tapas na cara do que com cafunés.

É importante, contudo, que não nos condenemos por falhar ou procrastinar. Isso evita que falhemos ainda mais ou procrastinemos ainda mais. Nossa mente é uma bola de neve e as ansiedades, medos e estresses são a neve. Quanto mais os cultivamos, maior a bola.

Então toda vez que não cumprir uma meta, use o tempo para observar os motivos da falha, não para se lamentar. Respeite-se como profissional, como pessoa e como ser limitado.

Não seja o melhor, seja eficaz.


[sgmb id=”1″]

Comentários

comments