2   +   4   =  

Esse artigo é uma tradução livre do original “The ethos of Giant Ant”, publicado em 2 de janeiro de 2017 no site Motionographer.

Nota do Motionographer: Que maneira melhor do que começar 2017 com um novo artigo da nossa série de convidados, feito por ninguém menos que Giant Ant?
Lembro-me de quando a Giant Ant começou a aparecer no feed do Vimeo. No princípio, o consenso geral foi “quem são esses caras?”, e rapidamente isso mudou para “puta merda, eles são bons!”. 

Durante um período de seis meses, parecia que lançavam regularmente uma nova peça incrível de animação. Foi um furacão de grandes trabalhos e, no fim das contas, a Giant Ant se estabeleceu como um dos melhores estúdios no reino das animações dirigidas por design.

E melhor, eles fizeram tudo em seus próprios meios, vindo a pavimentar um caminho exclusivo desde então. A Giant Ant é a prova de que um jeito melhor talvez seja possível. 

Espero que apreciem esse artigo escrito pelos fundadores da Giant Ant, Jay e Leah, pois eles nos oferecem algumas lições valiosas que aprenderam durante os anos. 


A cultura e valores da Giant Ant: 10 anos de existência 1

O time da Giant Ant | via Motionographer

 

Há 10 anos eu estava completamente nú no banheiro dos pais de Leah (no andar de cima da casa), enquanto ela procurava me enquadrar numa câmera Sony DV, daquelas pequenas. Então nós revezamos e a filmei. Nós editamos o vídeo juntos e voilá! Nosso primeiro material estava pronto.

O vídeo em questão foi uma piada boba sobre as diferenças entre homens e mulheres tomando banho. Ele foi, e continua sendo, um material terrível; mas não esperávamos que ninguém assistisse. Então, colocamos online. O que aconteceu em seguida foi a mais esquisita, improvável, e definitivamente a mais embaraçosa coisa que poderia acontecer conosco:

30 milhões de pessoas assistiram.

Hoje, sentado num café dez anos depois, em nosso aniversário criativo e no momento em que refletimos sobre tudo, penso na segunda coisa mais improvável que poderia ter-nos acontecido: que aquele vídeo horroroso nos tornou um estúdio de sucesso – estúdio que não começamos como um business e, mais importante, onde podemos trabalhar com pessoas incríveis todos os dias, em nossos próprios termos, de uma forma que não comprometa nossos valores.

O que nos motivou a fazer aquele vídeo em 2006 não é parte do nosso mantra agora, mas o embaraço que nos causou ao se tornar viral, ensinou uma lição que se tornou nossa base pelos próximos 10 anos.

Tudo que produzimos é uma declaração do nosso gosto

O que percebemos nesses 10 anos é que “gosto” é algo que vai além da preferência estética; tem a ver também com a forma que decidimos viver, bem como as coisas que consideramos importantes. Em retrospectiva, uma série de boas decisões – todas fruto daquela realização -, acumularam para criar a Giant Ant.

Eis alguns dos nossos aprendizados:

Trabalhe pelo projeto que quer, não pelo projeto que tem

Isso quer dizer colocar importância na qualidade do projeto. Ele – o projeto -, nunca deve ser menos do que nosso melhor. Se perguntarmos a nós próprios se algo está bom o suficiente, provavelmente não estará. Mas isso também tem a ver com o que o projeto pede.

Quando começamos, pediam que produzíssemos vídeos engraçados estrelando nós mesmos. Logo percebemos que os clientes contactam você por algo que pensam que você é – produz -; é como eles veem você. Potencial criativo é algo muito abstrato para a maioria dos clientes perceber. Então o que seria esse potencial? A lacuna entre o que você faz e o que pensa ser excepcional? Alguma medida da velocidade de seu desenvolvimento? Talento bruto multiplicado por hábitos sobre um extenso período de tempo? Tudo isso soa lógico, mas o que importa é que se você é um piadista, os clientes pedem que conte piadas.

Contudo, eu e Leah resolvemos que não queríamos produzir esse tipo de coisa. Então decidimos que trabalharíamos somente com o que gostaríamos que os clientes nos pedissem. Descambamos pro stop-motion, filmamos um documentário sobre hip-hop na Tanzânia e produzimos material em que não éramos as estrelas. Mais importante, fizemos uma promessa a nós mesmos para fazer nosso melhor e não dividir projetos em categorias como “trabalhos criativos” ou “trabalhos por dinheiro”; pois queríamos que, eventualmente, ambos fossem uma coisa só.

Dez anos depois, ainda vivemos sobre essas “regras”, e tem sido nosso estratégia de marketing. Mas uma nota aos clientes engraçadinhos: nós continuamos a fazer piadas.

Somos a empresa que temos

Numa noite, oito anos atrás, percebemos que estávamos tão intoxicados com a ideia de trabalhar para grandes marcas (ou em projetos divertidos), que não pensamos no que estávamos produzindo e, em último caso, vendendo. Quando percebemos isso, percebemos que nosso público era o oposto da marca que trabalhávamos. Então imaginamos o que isso dizia sobre nossa personalidade.

Como sociedade, as pessoas ao nosso redor falam muito sobre quem somos. Por que não seria da mesma forma com nosso estúdio? Geralmente dizíamos que, para fazer um bom trabalho, precisamos enxergar o mundo do mesmo modo que nossos clientes. Então, sempre que começamos avaliamos da seguinte forma (em ordem):

Nossa família ficaria orgulhosa?
Nós usaríamos esse produto ou serviço?
Isso é uma oportunidade criativa?
Isso é uma oportunidade financeira?

Nosso trabalho é melhor quando todos acreditam nele

Como duas pessoas com os mesmos valores, essas foram decisões fáceis de fazer. Mas, à medida que o estúdio se tornou um grupo diversificado de artistas e produtores que agora definem quem somos tanto quanto nós, sentimos a responsabilidade de respeitar seus valores também.

Há três anos, um projeto surgiu com o maior orçamento que tínhamos visto. Era uma campanha pró-escolha.

Esta é uma questão polarizadora, e alguns de nós sentimos muito fortemente que queríamos contribuir para isso. Por outro lado, alguns de nós sentiram fortemente que isso estava em oposição aos nossos valores. Ela nos forçou a definir “nós”. Era “nós” Jay e Leah, ou era “nós” a equipe coletiva.

Decidimos que era uma decisão melhor da família dizer não. Trabalhamos melhor quando todos acreditamos nisso, e somos um estúdio melhor quando estamos orgulhosos do que produzimos.

A melhor ideia prevalece

O caminho para o sucesso é pavimentado com ideias terríveis, e Leah e eu nos orgulhamos de ter as piores ideias. Mas, muitas vezes, elas são um trampolim para algo muito mais inteligente de outra pessoa – se nós somos as pessoas mais inteligentes na sala, estamos no quarto errado.

Nós não somos comunistas; o estúdio tem uma hierarquia que nos ajuda a funcionar como negócio. Mas quando se trata de ideias, nós realmente esperamos que todos contribuam; e para as melhores ideias subirem ao topo, não importa de quem são. Isso significa criar um espaço seguro para ideias medíocres, e vê-las como um passo necessário para algo valioso. Significa também criar um espaço onde as pessoas sejam expostas o suficiente para o processo que elas podem entrar na responsabilidade e recompensar a bravura criativa com liberdade criativa.

Beleza não é uma ideia

Quando começamos a fazer vídeos, não éramos bons. Por mais sortudos que fôssemos, isso nos forçou a não passar estilo como substância. Conforme aprendemos as ferramentas e construímos a equipe, tentamos manter isso. A verdade é que, lá fora, há um excesso do muito bonito, mas que não permite sentir nada, porque falta uma ideia central. Ou talvez porque todos os ovos estão na cesta do Motion Design, deixando muito pouco ao contexto, à história, ao roteiro, à voz, ao ritmo, ao projeto sadio e à música – todos os elementos que nós discutimos são tão importantes em criar uma resposta emocional como os moldes de estilo e transições que recebem os aplausos.

Claro, estamos ansiosos para fazer algo bonito, mas a nossa aspiração é de que o estilo tem propósito – ou serve como um trampolim para o conteúdo.

Nossa energia criativa tem valor

É nosso recurso mais precioso.

Com isso dito, a maioria de nós sabe que lançar – gratuitamente – é o método padrão de aquisição de trabalho em nossa indústria. É algo perigoso, mas sabemos isso com certeza: o Pitching mostra que criatividade e arte são commodities. Também sabemos que, para que nossa indústria sobreviva, isso não pode ser verdade.

Devemos a nós mesmos examinar os Pitching e ser honestos com nós mesmos sobre oportunidades mutuamente benéficas. Alguns Pitching têm muitos participantes. Alguns Pitching têm criatividade preguiçosamente mal definida. Alguns Pitching não são devidamente vendidos através do cliente. Alguns Pitching têm orçamentos que merecem lances únicos.

Se nós, como as agências criativas da comunidade, agências, estúdios, freelancers, etc. – pensamos que estamos fornecendo valor, precisamos agir com valor. Quando não colocamos valor no trabalho daqueles em quem confiamos para ter sucesso, acabamos com um trabalho medíocre. Nem sempre, mas o suficiente.

Ter um ponto de vista forte sobre onde usar nossa energia criativa nos ajudou a avançar em direção a uma base de cliente-diretos e a garantir que, quando trabalhamos com parceiros de agência, possamos entrar em um projeto a partir de um local de respeito mútuo que renderá o melhor trabalho.

Viver é mais importante. Sempre.

Há uma falácia em nossa indústria de que trabalhar duro e por longas horas são a mesma coisa (do mesmo modo virar noites e trabalhar aos finais de semana são o que é preciso para ser bem sucedido).

Isso é difícil, mas lentamente aprendemos que tem mais a ver com o mau planejamento e com a falta de comunicação do que com o estado de nossa indústria. Prazos são o que são. Horário é complicado quando coisas inesperadas acontecem, e elas sempre acontecem. Às vezes, um shot precisa de um pouco de algo mais. Ou às vezes nós erramos na primeira tentativa…

Mas seja como for, a vida é mais importante. Nós não compreendíamos isso até que tivemos filhos. Quando penso em meus vinte anos, eu indexo anos vs. projetos, não experiências de vida. Isso não é uma coisa boa.

Hoje no estúdio, invadir vidas pessoais não é justo. Nós trabalhamos das 9h às 18h, de segunda à sexta-feira. Se não podemos fazer isso nesse espaço de tempo, contratamos mais gente. Se essas mãos não podem fazer isso, então dizemos não. Tentaremos nosso máximo 100% do tempo, atingiremos nosso prazo, mas se nos encontramos no escritório às 21h, nós falhamos, e usamos isso como uma chance de aprender algo para nos ajudar a tomar decisões melhores da próxima vez.


Então, aqui estou eu, sentado neste café dez anos depois, e agora começando a sentir que aprendemos quem queremos ser nessa indústria louca. Mas é preciso fazer 1000 vídeos, e cometer 1000 erros; cercando-nos com uma brilhante equipe para aprender.

É difícil saber o que os próximos dez anos nos trarão, ou o que o próximo “vídeo do chuveiro” será. Mas, até então, estamos animados para continuar aprendendo. E para continuarmos tentando fazer o trabalho que fica cada vez mais perto de alcançar esse sabor inatingível.


Fonte: Motionographer | Giant Ant Site

Comentários

comments