fbpx

Coisas que não te contam sobre ser freelancer com filhos em casa

Este artigo é uma tradução livre do texto “Stuff They Don’t Tell You – Freelancing when you have kids”, escrito por James Cartwright, que está disponível em inglês no blog do WeTransfer. As ilustrações foram feitas para o artigo original e são de Aart-Jan Venema.

Freelancers tem muito mais coisas para pensar além de ter boas ideias. Nós estamos aqui para ajudar com nossos conselhos na série Coisas que não te contam. Aqui, James Cartwright descobre se é possível combinar trabalho e paternidade/maternidade em casa.

Eu celebrei duas grandes conquistas em 2020. A primeira – preencher a quinta declaração de imposto de renda desde que deixei meu trabalho fixo para me tornar freelancer – me fez refletir sobre as lições que aprendi com o meu pequeno negócio próprio: administrar o relacionamento com clientes, controlar as finanças, equilibrar trabalho e vida pessoal no meu pequeno home office e conseguir não estragar tudo. O segundo – o primeiro aniversário do meu filho – me fez refletir sobre o quão irrelevantes todas essas lições foram assim que a paternidade aconteceu.

Antes do meu filho chegar, minha parceira e eu éramos bem pragmáticos em relação às mudanças que nossas vidas sofreriam com a chegada de uma criança – que nós sacrificaríamos o tempo que gastamos socializando e dormindo, limpando bumbum, lavando fraldas, preparando comida e estando sempre atentos para evitar desastres infantis que podem acontecer a qualquer momento. Mas eu, pessoalmente, não pensei muito sobre como trabalhar e criar um filho no mesmo espaço poderia apresentar sua parcela de problemas, contradições e histórias engraçadas que seriam capaz de envergonhar seu filho no futuro.

Alguns dos obstáculos que encontramos fazem parte da paternidade mesmo, mas muitos deles são relacionados ao fato de que eu não posso simplesmente desaparecer e trabalhar em um escritório focado por 8 horas o dia todo.

Eu estava ainda menos preparado para a grande variedade de emoções que iriam impactar minha habilidade de trabalhar de forma eficiente. Sempre me orgulhei de ser capaz de, em qualquer circunstância, focar no trabalho quando era importante. Mas acontece que esse não é o caso quando eu me deparo com a culpa de tentar terminar um trabalho dentro do prazo enquanto minha parceira, no quarto ao lado, tenta acalmar um bebê inconsolável cujos dentinhos estão nascendo. Ou quando meu filho faz alguma coisa engraçada pela primeira vez e eu preferia ficar o dia inteiro olhando para ele do que sentado em frente a um computador. Ou quando, tendo passado meses sem dormir, eu e minha esposa começamos a brigar durante o café da manhã e eu não consigo escrever um parágrafo que faça sentido, remoendo uma mistura de vergonha e raiva a manhã inteira.

Limpando mingau do meu rosto, camisa e calça, depois de chegar atrasado para uma conferência matinal com o cliente na semana passada, eu pensei e fiquei surpreso sobre quão mais simples isso costumava ser antes da paternidade.

Ter filhos muda todas as suas atitudes na vida, não apenas no trabalho. É simultaneamente a mais incrível e pior coisa que pode acontecer com você. É uma transição difícil e confusa emocionalmente. Você não pode ser mais egoísta e auto-indulgente, especialmente sobre a forma com que você usa o seu tempo. Mas este não é um artigo de lamentações sobre como é difícil ser pai. Ao contrário, nós escolhemos ter filhos e esta é a melhor aventura que já tive. Existem apenas algumas lições que eu gostaria de ter aprendido antes. E eu não sou o único.

“Lionel pôs tudo em perspectiva para mim,” disse a fotógrafa freelancer Claudia Legge sobre seu filho de quinze meses de idade, “porque ele é a minha prioridade e a coisa mais importante do mundo. Se eu estou tendo um dia ruim, tudo fica melhor quando ele está por perto.”

“Quando Kiki chegou, tudo mundou,” diz o ilustrador holandês Aart-Jan Venema. “O trabalho não era mais o número um, e eu achei difícil manter a mesma ambição e avidez.”

Shawna X, artista freelancer que vive no Brooklyn, concorda. “Eu acho que minha abordagem no trabalho sempre variou. A diferença agora é que eu tenho alguém que é mais importante e em quem eu penso antes de pensar em trabalho.”

Independente do que você faça, ter filhos te obriga a re-priorizar tudo em sua vida. Mas quando você é um freelancer e trabalha de casa, essa re-priorização parece acontecer quase que de hora em hora. Eu, Aart, Claudia e Shawna discutimos para chegar a algumas dicas sobre como lidar com este constante estado de fluxo, e esperamos que elas sejam tão úteis para novos pais freelancers como para milhares de pais que estão atualmente equilibrando trabalho e paternidade durante o atual isolamento social. Boa sorte a todos.

Não fique surpreso se suas motivações mudarem

Eu passei a maior parte dos meus vinte anos escalando uma escada e atrelando minha autoestima a minha performance profissional. Eu só percebi isso quando as coisas mudaram. Quando me tornei pai, eu passei a me importar muito menos com meus clientes e com suas necessidades, e passou a ser muito difícil focar na minha escrita. Tive que me esforçar muito para encontrar novas motivações para acordar e ir pro trabalho a cada dia – dinheiro, principalmente  – mas isso também me fez valorizar muito o meu tempo fora do trabalho. Eu costumava trabalhar muito durante a noite e nos fins de semana. Agora tento não fazer isso.

“Meu tempo é muito mais valioso agora,” diz Claudia. “Então, a não ser que o cliente me pague um bom valor pelo projeto, eu vou preferir gastar meu tempo estando com meu filho.”

“Nesse ponto, eu estou parando de querer trabalhar o máximo possível,” diz Aart. “Se eu estou tendo uma semana tranquila, vou gastar todo o tempo que puder junto da minha família. Se estou muito ocupado, eu me fecho para trabalhar, porque não tem outra opção, afinal, também preciso pagar as contas.”

Seja sincero com seus clientes

Sinceridade é sempre uma boa política quando falamos em relacionamento com clientes. Mudar prazos e administrar expectativa já é uma grande parte do trabalho de um freelancer e estes prazos e expectativas precisam ser muito mais maleáveis quando você tem filhos. Informar o cliente sobre a sua atual situação pode ajudar muito. Claro que você é um profissional e precisa fazer entregas nos prazos, mas fazer com que os clientes saibam da sua situação e ser claro sobre suas limitações é algo vital, mesmo se esta parece uma conversa difícil de se ter.

“Eu não tenho vontade de falar muito sobre isso,” diz Aart. “Eu não quero que os clientes se sintam mal por entrar em contato porque eles sabem que estou ocupado com crianças. Por outro lado eu tenho alguns clientes antigos com quem eu tenho conversas pessoais e muitos diretores de arte estão no mesmo barco que eu, então fica mais fácil esclarecer a situação.”

“Acredito que é um erro alguém com uma rotina estressante fora do trabalho fingir que isso não afeta sua produtividade e que você não vai levar uma parcela deste estresse pro trabalho,” diz Shawna. “Eu notei, observando as pessoas com quem eu trabalho, que a maneira com quem elas se comunicam dão indicações do que elas estão passando emocionalmente.”

Para Claudia, ser aberta sobre sua nova maternidade, permitiu que ela conseguisse pegar um trabalho dos sonhos quando o Lionel tinha apenas alguns meses de idade.

“Ele tinha seis meses e eu ainda estava amamentando. Lionel ainda estava comandando toda a minha rotina. Mas isso foi uma experiência incrível porque eu pude descobrir minha auto-confiança em ser mãe e não tinha tempo para reclamar de tudo – como eu costumava reclamar de clientes grandes. Eu iria fotografar por algumas horas para esta grande campanha e logo depois sentaria e amamentaria enquanto revisava as fotos que tirei. Era uma equipe composta só por mulheres, o que fez com que a experiência fosse incrível.”

Assuma o controle de sua agenda

Crianças são caras. Esta não é uma reclamação, é um fato. A não ser que você tenha muito dinheiro acumulado, equilibrar trabalho e o cuidado com filhos vai ser seu principal objetivo na vida até que seu progênie esteja em idade escolar. Shawna e seu marido agora trabalham apenas três dias por semana. “E estes três dias são super produtivos,” diz ela. Mas, para fazer com que eles fossem produtivos, Shawna adotou um novo nível de organização.

“Eu agora sou super preciosista com a administração do tempo. Na noite antes do dia de trabalho, eu organizo minha agenda, divido as atividades em horas e planejo tudo, desde o trabalho que preciso terminar, alterações que preciso fazer e o tempo determinado para as redes sociais. Mudou muito em relação a como era minha vida antes, e eu acredito que mudou pra melhor. Me preparar mentalmente para o que preciso fazer e pros meus objetivos do dia tornou muito mais fácil entrar na minha zona de produtividade.”

“Nós nunca fomos pessoas com rotinas,” diz Claudia, “esta não é mesmo a minha personalidade. Mas isso simplesmente mudou quando tive um bebê – você simplesmente cai em uma rotina e precisa mantê-la. Isso tornou muito mais fácil organizar o meu dia.”

Aceite que você agora é menos produtivo

Cronogramas eficientes são muito úteis para tornar sua vida mais fácil mas, às vezes, merdas acontecem (literal ou metaforicamente) quando você menos espera. Se acostumar e aceitar este fato é a chave para reduzir seu nível de ansiedade e estresse. “Eu sou muito bom em me concentrar quando não estou com a Kiki,” diz Aart, “mas eu me dou muito mal tendo que trabalhar de pouco em pouco. É muito difícil não se envolver ao ouvir sua esposa tendo dificuldades, mesmo sabendo que você também tem prazos para cumprir. Agora estou trabalhando com um tempo bastante folgado, o que, às vezes, me faz sentir um pouco não profissional.”

“Acabei de enviar um projeto recentemente e, diante da linha de chegada, eu me peguei sendo super crítico ao que tinha acabado de mandar,” diz Shawna. “Meu marido precisou dizer: ‘Shawna, o resultado está ótimo. Relaxa.’ Precisei ter um pensamento objetivo pra perceber que ele estava certo. Eu entendo que preciso entregar projetos com qualidade, mas às vezes você precisa simplesmente entregar, e está tudo bem com isso.”

Melhore sua comunicação

Você provavelmente ainda se lembra do tempo quando você não precisava se preocupar com seu próprio calendário e que podia viver um dia de cada vez. Este tempo acabou pra sempre. Agora é você, seu filho, talvez um parceiro, definitivamente algumas carreiras, família, amigos prestativos, visitas ao médico, clientes – existem diversas pessoas envolvidas em sua vida agora, e você precisa coordenar tudo isso.

“Organizar nossa vida necessita muita comunicação e muito comprometimento,” diz Shawna. “O trabalho do Collins o tira de casa, então, neste tempo, é preciso planejar com antecedência para que o bebê tenha todos os cuidados e atendimentos que precisa.”

“Você precisa se comunicar melhor com seu parceiro para compartilhar o que aprenderam durante a rotina de cuidados com o filho,” diz Claudia. “Nossa comunicação evoluiu muito. E você também precisa deixar claro qual o tempo que você precisa para si.”

Tire um tempo para si mesmo(a)

Lidar com trabalho e vida pessoal no mesmo espaço significa que o trabalho vai ocupar um pouco do seu tempo com a família e vice-versa. É difícil estabelecer limites. Fica ainda mais difícil com um pequeno ser humano correndo em sua volta, demandando seu tempo e, de repente, você se pega simplesmente deixando o trabalho de lado e tomando conta da criança, sem nem mesmo perceber. Mas isso pode ser muito ruim para a sua cabeça se você deixar que isso aconteça por muito tempo.

Quando você tenta espremer aquele pequeno tempo extra de trabalho para mandar um email ou fazer alguma pesquisa no celular, seu filho vai notar — ele pode até começar a fazer pirraça. Isso não vai ser produtivo e só vai gerar frustrações. É muito melhor ter uma distinção clara entre tempo de trabalho e tempo para a família e aprender quando você precisa simplesmente mudar a chave.

Encontrar tempo para si mesmo pode te fazer sentir culpado da primeira vez, mas isso também vai salvar sua saúde mental em um longo prazo.

Aart divide sua semana em partes, algumas para trabalho e algumas para cuidar do filho. O resto é para leitura, jogar e ir surfar. “Isso mantém minha cabeça em um bom lugar e evita que eu perca tempo procrastinando.”

Shawna tem feito esculturas em vidro uma noite por semana. Na semana passada eu pedalei por duas horas e isso me fez uma pessoa muito melhor.

Não existe mais trabalho extra.

Nós todos fomos ensinados que ter um trabalho extra nas horas vagas fazia parte do modelo de trabalho dos millennials freelancers. Isso nunca fez sentido, mas agora menos ainda. Você mal consegue ter energia para tomar banho e se vestir todos os dias. Trabalho extra? Sério? Só pode ser brincadeira. Vá para a cama.

Comentários

comments