Uma senha sera enviada para seu e-mail

Equilibrando Hardware para trabalhar com After Effects e Cinema 4D

Quem já acompanha o Layer Lemonade sabe que sempre falo sobre Hardware e a importância de dominar o mínimo sobre esse assunto. Eu sei, pra muita gente este assunto é muito chato. Mas é necessário, acredite. Dessa vez, vamos fazer uma abordagem diferente.

Como  equilibrar seu Hardware entre o After Effects e o Cinema 4D: os dois softwares mais usados na indústria de Motion.

Quando digo equilibrar, significa balancear uma máquina para que ela atenda minimamente aos 2 softwares, já que eles usam partes diferentes do seu computador. Se você não tem resposta para essa pergunta, este texto é pra você.

Um bom Hardware é o que possibilita a execução de nosso trabalho e sua importância vai muito além de apenas ter um computador chique na mesa. Me refiro aqui ao fato de ele ser a peça fundamental no quebra-cabeças de um bom Fluxo de Trabalho, pois sem uma máquina responsiva, dificilmente conseguiremos cumprir certos prazos ou mesmo desenvolver certos projetos.

E vai por mim, não há nada mais frustrante do que uma máquina mal montada que te deixa na mão.

Então como equilibrar nosso PC pra termos uma desenvoltura boa no After Effects e Cinema 4D? Essa é uma pergunta séria, pois os dois softwares respondem e exigem coisas bem diferentes de nosso Hardware.

Pra começar, vamos falar da peça fundamental de um PC e sua diferença de uso no After e C4D:

1 – O Processador.

Nas versões atuais do After Effects o que importa é a velocidade do Processador, não a quantidade de núcleos.

Isso quer dizer que uma CPU com clock mais alto e menos núcleos faz o After trabalhar melhor do que uma CPU de clock baixo e muitos núcleos. Por exemplo, para animações 2D um i7 Quad-core de 4.2GHz é 9.5% mais rápido do que um i7 de dez núcleos que roda a 4.0GHz.

São quase 10% de melhoria somente aqui, e uma economia monstruosa em dinheiro se compararmos o preço de um e de outro.

Por outro lado, o Cinema 4D não é tão radical, e olha pra esses dois fatores de modo quase igual. Ele pede velocidade sim, mas faz questão de mais núcleos, principalmente na hora do render via CPU. No trabalho do dia-a-dia, manipulando objetos e animando, o Cinema 4D depende mais da velocidade do que da quantidade de núcleos, pois várias ferramentas como deformers, generators e cloners são processados por um único núcleo e dependem da velocidade desse núcleo.

Consegue entender a diferença?

Mas na hora do render preview e render export, o C4D vai olhar pra quantidade dos núcleos também, então aqui precisamos de uma CPU equilibrada em número de núcleos e velocidade de clock.

2 – Placa de vídeo (GPUs)

Infelizmente o AE praticamente não olha pra GPUs, independente de qual seja. De forma nativa, o After tem pouquíssimos efeitos e recursos acelerados diretamente pela GPU, o que torna essa peça não tão importante em certos contextos.

Claro, existem dezenas de plugins como o Optical Flare, Trapcode Particular e Element 3D que são inteiramente acelerados via GPU; mas não é regra.

Desse modo, a não ser que seu fluxo de trabalho dependa de plugins acelerados via GPU, um investimento alto nesse sentido é bobagem. ISso, claro, falando do AE sozinho.

O Cinema 4D segue quase o mesmo princípio em relação as GPUs, mas consegue usá-las um pouco mais acelerando o viewport. Só que o Cinema 4D tem uma grande vantagem no uso das placas de vídeo: os renderizadores externos.

Ferramentas como o Octane Render ou Redshift podem acelerar de modo exponencial seu preview e render export, já que usam a GPU como fonte de processamento.

Isso praticamente revolucionou a forma como produzimos animações 3D no Cinema 4D, pois o fluxo de trabalho com essas ferramentas é incrivelmente mais rápido do que o normal.

Então tenham em mente: para renderizadores externos no Cinema 4D, GPUs importam.

3  – Memória RAM

O After Effects depende muito disso para cache preview. Isso significa que quanto mais RAM tivermos, mais rápido é carregado e mais longo será nosso preview total.

Lembrando, claro, que a RAM tem papel fundamental na desenvoltura geral da nossa máquina, e quanto mais tivermos, mais tarefas em paralelo conseguimos executar. Uma quantidade razoável para o AE funcionar bem é 16GB DDR4 com clock alto e baixa latência.

Já o Cinema 4D leva a quantidade de RAM em consideração pra muito mais coisas. Se vc quer trabalhar com cenas grandes, precisará de uma quantidade de no mínimo 32GB DDR4.

Isso permite manipular uma contagem alta de polígonos por cena, além de texturas pesadas e outras coisas mais.

4 – Outro ponto importantíssimo é o uso de SSDs.

No After Effects isso é crucial, pois sua estabilidade e cache de disco dependem dessa peça. O ideal é um SSD M2 para o sistema e instalação do AE, tendo em seguida um SSD SATA separado para cache de disco.

Mas se vocês puderem investir mais, vale a pena adquirir mais 2 SSDs, sendo 1 pra deixar arquivos de projetos e outro para Render Export. E vale lembrar que vocês precisam ter uma Placa Mãe compatível com SSD M2.

O C4D não depende muito da performance do seu SSD, mas isso não quer dizer que sua estabilidade não melhore.

Mas nesse ponto podemos economizar uma grana usando apenas SSD SATA para o sistema.

 

Bom, agora como equilibramos isso tudo entre os dois softwares?

 

No caso do processador, escolha um com no mínimo 6 núcleos e clock alto, algo em torno de 3.5 a 4.0GHZ. Eu indicaria processadores AMD Ryzen 7 como o 1800X, que tem 4.0GHz, 16MB de cache e 8 núcleos físicos; além de um excelente custo benefício.

Com isso conseguimos equilibrar as coisas entre a velocidade do processador exigida no AE e o número de núcleos exigidos no C4D.

A escolha da GPU depende exclusivamente do tipo de fluxo de trabalho; ou seja, se você usa plugins acelerados via GPU no AE e renderizadores externos no C4D. De qualquer forma, vale investir em uma GTX 1070Ti, que possui 8GB de memória DDR5, para ter uma versatilidade maior em ambos os softwares, além de uma durabilidade maior de tempo de máquina.

A lei sobre memória RAM é “quando mais, melhor”, principalmente quando falamos somente do After Effects. Por isso, o melhor é ter 32Gb DDR4 para lidar com ele e o C4D sem grandes engasgos. Isso permitirá usar ambos os apps abertos sem desespero.

E por último o SSD. Aqui o conselho é ter 4 SSDs, sendo o do sistema um M2, que é onde instalaremos o After Effects e C4D. Esse método beneficia o After muito mais, mas é extremamente importante caso trabalhemos com projetos em larga escala.

Conclusão

Bem, falamos sobre configurações ideais neste vídeo, porém gostaria de indicar algumas máquinas com bom custo x benefício:

Em linhas gerais estes são os toques que gostaria de dar de como equilibrar uma máquina para trabalhar com After Effects e Cinema 4D. 

Adote estas ideias como estratégias na hora de montar ou comprar uma máquina. Muitas pessoas acabam por desconhecer como os softwares funcionam e compram computadores que nada atendem em nenhum dos casos.

 

 

Comentários

comments