Uma senha sera enviada para seu e-mail

Qual o nome daquela coisa? #3 Broadcast | Ctrl+Alt+N

Chegamos ao artigo de número três da nossa querida série que aborda termos aparentemente desconhecidos por profissionais da área. Se você dormiu estas últimas duas semanas e acordou só agora no susto, calma, pois rola tranquilo você fazer maratona dos dois primeiros capítulos publicados. Antes de darmos início à terceira matéria, entenda o que danado é HUD e Memphis Design.

Pronto, já podemos começar? Pois sigam-me os bons.

Entendendo o Broadcast

Broadcast não é lá um termo tão desconhecido, tendo em vista que o mesmo também circula pela boca de pessoas que não necessariamente trabalhem com animação. A questão principal aqui é a transmissão/distribuição de conteúdos de áudio e/ou vídeo para um público qualquer, através de suportes eletrônicos que lidam com a comunicação de massa, no nosso caso, a televisão.

by Aleksandar Savic | via Dribbble

by Aleksandar Savic | via Dribbble

Tudo começou pelos envios de sinais por telégrafos, através do uso de código morse, e aí por volta da década de 20, a transmissão via rádio tornou-se um meio familiar, sendo estas iniciada por AM e, logo depois, a FM. Nesta mesma época já eram feitos experimentos televisivos, mas só após a Segunda Guerra Mundial que conseguimos ter um avanço. Originalmente toda a transmissão era composta por sinais analógicos; atualmente aqui no Brasil o sinal é digital mas nem todas as casas possuem o suporte adequado. No Japão os testes com transmissão em 8K já são realizados e são até bem sucedidos.

O Japão espera colocar o sinal 8K no ar em 2020, quando acontecem as Olimpíadas de Tóquio, mas é pouco provável que a população e as próprias emissoras estejam preparadas, já que o custo da tecnologia é alto. – Tecnoblog

Broadcast Design

Se você trabalha com motion graphics há no mínimo dois anos, já deve ter percebido que dentro desta industria existem vários “setores” -se é que podemos chamar assim-, e, por isso, a área exige mais do que apenas saber animar. É preciso entender conceitos e ficar atento ao público alvo, caso contrário você só estará entrando para clube de pessoas que acham plausível usar o mesmo comercial de TV, nas propagandas do youtube, no qual a linguagem é totalmente diferente.

Por isso é interessante fixar uma coisa na mente: Broadcast Design é um segmento dentro da industria de motion graphics. Sim, existe um profissional na função de “broadcast designer”, ou seja, um(a) profissional responsável por pensar e projetar animações para televisão.

Acredito que este seja o segmento que mais se encontra palavras para se expressar a mesma coisa; tudo pode variar de acordo com o seu local de trabalho.

O próprio nome Broadcast Design pode ser interpretados de outras formas -nem sempre para dizer a mesma coisa, como no caso de Sports Package, onde se refere apenas aos conteúdos esportivos-, mas existem muitos termos que podem te ajudar na hora de pesquisar por referências do tipo: Branding TV, Broadcast Id, Broadcast Promo, etc.

Dando início à produção

Geralmente esse tipo de conteúdo precisar preservar uma identidade no resultado final, ou seja,  é mais comum encontrarmos emissoras que solicitem um pacote completo para o estúdio ou profissional responsável fazer; desta forma é mantido uma essência que talvez se perdesse caso o projeto passasse por vários profissionais distintos. Não necessariamente é preciso ser feito o pacote completo, pode rolar da emissora querer apenas uma introdução pra um programa, por exemplo. Em alguns casos, a própria emissora possui uma equipe responsável por produzir estas peças.

Quando ocorre esse tipo de projeto completo, após finalizado todas as peças – conhecidas como deliverables-, o estúdio responsável pela produção precisa enviá-las pré-renderizadas, editáveis e otimizadas para o uso ao vivo. E as deliverable podem ter versões com diferentes logos de patrocinadores dos programas ou canais, inclusive. Nesse projeto aqui da TNT, por exemplo, a galera do estúdio TBIK criou até scripts/painéis do after effects para facilitar o processo de uso do cliente.

Os projeto de Broadcast são bastante envolvidos com o rebrand de uma marca, o que não é regra, claro, mas vai ser mais comum encontrar trabalhos desse tipo. E quando eu falo que talvez este seja o segmento que mais se encontra palavras para expressar a mesma coisa, é porque quero me referir aos termos dentro desse tipo de projeto. Se liga na quantidade de nomes:

Termos do Broadcast Design

Bumper (Next, Promo): É aquela transição de um programa para o comercial e vice-e-versa. Geralmente contém uns cinco segundos e serve para lembrar qual o programa que está passando.

Play Off (Pingel, Bump in): É uma variação de um bumper. Esse aparece antes dos comerciais.

Play On (Pingel, Bump out): Esse aparece na volta dos comerciais comerciais. Veja o vídeo abaixo dos 11 aos 18 segundos pra entender melhor.

Bug (“Mosca” aqui no Brasil): É a logo do canal ou do programa em algum dos cantos da tela. Pode ser estático ou animado e é usado para identificar um canal, show, etc.

Opening Title (Open, Leader, Intro, Intro sequence): A abertura do programa. Pode ter de três a trinta segundos, vai depender do caso.

Snipe  São aquelas animações de cinco a dez segundos que aparecem na parte de baixo da tela, durante uma programação mesmo, para promover algum outro programa que está para começar ou estrear.

Transition (Swipe): Como o próprio nome sugere, são transição entre alguns segmentos do programa. Por exemplo entre uma entrevista e um re-play. Geralmente nessa transição é usado a logo do programa ou algo relacionado ao conteúdo.

Interstitial (Clusterbuster): Esse é um pouco confuso e pode mudar relativamente ao tipo de programa. Eles podem chegar até cinco minutos e geralmente mostra um conteúdo à parte, mas dentro do programa. No caso de um programa esportivo pode ser um vídeo com os melhores momentos de um jogador.

Mortise: Este para ficar mais fácil de compreender, é só substituir a palavra Mortise por Quadro. Ela é basicamente um quadro que você faz para colocar o vídeo dentro, em vez de ter que reproduzi-lo em tela cheia.

SUITS - Show Package - Mortise by Chris Finn

SUITS – Show Package – Mortise by Chris Finn

Lower Third Super (lower third, super strap, strap, banner): São aquelas animações que aparecem do lado inferior esquerdo da tela, para informar o nome de algo, local ou situação.

Promo (Promotion): Uma animação que anuncia um próximo programa.

Ident (Station ID): Uma pequena animação que termina com o nome / logotipo de um canal. A MTV tem bastante desses.

Packshot (End Page, End Board): Uma informação que aparece no final de um programa. Ela inclui a data e hora de uma próxima apresentação, por exemplo.

Billboard: Uma propaganda que ocorre logo após um programa ou promo. Por exemplo, “Este programa é um oferecimento da “nome-da-marca”.

Classification (NICAM): São aqueles gráficos que aparecem antes de um programa para informar a faixa etária recomendada.

Viu como o negócio é extenso? A lista nem para por aí, se você pesquisar mais um pouco é provável que encontre o triplo de outros termos. Sempre vão existir outros termos para substituir os existentes, é o ciclo da comunicação.


Conclusão

Esse é na verdade uma área na qual ainda não tive a oportunidade de trabalhar, porém quando tiver, irei fazer com muito vontade. Acredito que seja uma sensação boa ter o seu trabalho passando em grande escala para uma enorme quantidade de pessoas. Apesar da pressão que isso causa, deve ser uma experiência muito boa, principalmente com os canais que te dão total liberdade de criação.

Diferente do Memphis Design, acredito que os projetos de Broadcast Design envolva um pouco mais de experiência e cabeça fria. Se você tem interesse por essa área, cola aí nos trabalhos da State Design porque eles costumam trabalhar bastante com este setor.  Ah! Foca teus estudos no 3D também, porque é provável que você tenha que trabalhar com isso, principalmente se for para Sports Package.

Mas e aí, legal saber disso tudo né?! É incrível como o mudo se abre quando você conhece os termos certos. Experimenta aí fazer uma pesquisa pra ver o tanto de trabalho incrível que vai aparecer.

Espero que o conteúdo tenha somado para você e que te ajude na próxima vez que precisar fazer uma pesquisa mais elaborada. Comenta aí o que achou da matéria e não esquece de compartilhar com tua galera. 🙂


Fonte: Grupo “Motion Designers” no facebookTecnoblogWikipédia, Motionworks e Motion Array

Comentários

comments