Uma senha sera enviada para seu e-mail

A história por trás da criação do software Nuke

O NUKE, software da the Foundry, já passou por diversas atualizações e hoje é uma das ferramentas mais poderosas de VFX do mercado, por isso parece oportuno olhar para onde tudo começou, e como foi a trajetória do software ao longo dos anos. Para tanto, adaptamos trechos da conversa de Liz Kyneur, criadora de conteúdo dentro da The Foundry, com Bill Spitzak, autor original do NUKE na Digital Domain, e Simon Robinson, co-fundador da The Foundry, para obter informações sobre esse passado sombrio. 

Imagem do software Nuke

Formado pelo programa de Ciência da Computação do MIT e pela escola de cinema USC e com vários anos de desenvolvimento de software, Bill estava no lugar certo, no início dos anos 90, para se tornar um dos pioneiros da indústria de CG. Na Digital Domain, a equipe de criação estava usando um compositor baseado em script de linha de comando para lidar com o trabalho braçal. Ou seja, um inferno. Em 1993, Bill começou a desenvolver uma versão visual baseada no nó do sistema, e a NUKE como a conhecemos hoje nasceu; o software foi colocado rapidamente em uso em filmes como True Lies, Apollo 13 e Titanic.

Enquanto isso, em uma garagem em algum lugar da Terra Média (ok, desculpe! Inglaterra), Simon Robinson e Bruno Nicoletti estavam fundando a The Foundry e despejando toda sua paixão pela pós-produção e efeitos visuais dentro de softwares como Flame e Inferno. Simon lembra: “Eramos conhecidos como os caras que criavam softwares em Londres, e quando os efeitos digitais realmente começaram a decolar, foi ótimo; tudo o que queríamos fazer era nos reunir para criar mais! “. O ano foi 1996.

Bill Spitzak e Simon Robinson em 1986

Nos cinco anos seguintes, a The Foundry e a Digital Domain avançaram de forma paralela, à medida que a indústria amadurecia seus efeitos especiais, ao de se tornarem cada vez mais essenciais para o sucesso dos filmes. Em 2002, a NUKE foi homenageada com um Oscar por uma conquista técnica. “Acho que todos ficaram muito felizes com isso”, diz Bill, embora tenha admitido que fazer um discurso foi algo que  “causou algum pânico”. Ora, não por menos, os efeitos visuais estavam em alta, Bill foi porta-voz de centenas de milhares de profissionais dedicados à indústria de VFX.

Infográfico de criação da the foundry e o Nuke

Em 2007, a The Foundry assumiu o desenvolvimento do software NUKE, originalmente criado pela Digital Domain. A The Foundry estava procurando por uma plataforma de software própria, tendo atingido os limites técnicos do que eles poderiam conseguir apenas através de plugins. “Todos nós já sabíamos disso há algum tempo e sabíamos que esse dia iria chegar”, lembra Simon. “Parecia uma maneira divertida de expandir o que fizemos e aumentar nosso interesse em continuar fazendo mais.

Ao longo de alguns anos, a NUKE melhorou aos trancos e barrancos, à medida que o The Foundry adicionava centenas de novos recursos – incluindo um rastreador de câmera integrado, denoise, composição profunda e ferramentas estéreo – e ampliava seu núcleo com Python, Qt, 64 bits e suporte multi-plataforma. Em pouco tempo, o NUKE se tornou o software padrão da indústria. Se você estivesse rodando um filme ele estaria lá.

Infográfico de evolução do Nuke

Em 2010, Jon Wadelton se tornou o gerente de produto da NUKE. (Jon se juntou à The Foundry em 2007, tendo sido sondado para trabalhar na Austrália, e estava atuando como engenheiro de software principal – hoje ele é o CTO da empresa). No mesmo ano, a NUKE expandiu seu alcance para incluir o NUKEX, um pacote que continha as funcionalidades principais do NUKE com um kit de ferramentas exclusivo de recursos ; muitos deles se baseavam no principal conhecimento em processamento de imagem do The Foundry, que se provara tão valioso no mercado de plug-ins, incluindo o próprio vencedor do Oscar na época, FURNACE.

Infográfico de evolução do Nuke a partir de 2010.

Em 2012, sob a orientação de Jon, a família NUKE continuou a crescer, com a adição da HIERO, HIEROPLAYER e NUKE Assist. Em 2014, em conjunto com o lançamento do NUKE 9, a The Foundry apresentou o NUKE STUDIO – uma solução colaborativa de VFX, editorial e de acabamento. O NUKE STUDIO foi o resultado de inúmeras horas de trabalho da equipe.

Infográfico de crescimento do Nuke a partir de 2013

Simon esteve presente em muitas mudanças ao longo da vida do NUKE. “Muitas pessoas contribuíram para o NUKE, desde que a The Foundry assumiu os trabalhos, que, hoje, sabemos que ele tem um reconhecimento indiscutível na indústria”, diz ele. Continua ele, “Mas as ideias centrais que fizeram dela uma ótima plataforma inicial ainda persistem em seu DNA.”

E o que o futuro reserva para a NUKE? O mundo é sua ostra e, como cientista-chefe do The Foundry, Simon está pronto para novos desafios. “Estamos dando os primeiros passos para a realidade virtual, onde tanto nós quanto nossos clientes estamos explorando cada vez mais”, ele pondera. “Estou animado para ver como este campo evoluirá ao longo dos próximos anos, e, como nós da NUKE vamos participar de tudo isso.”

Nota de rodapé: 

1 – Só mais uma coisa: já se perguntou de onde veio o nome? Volte no tempo para o compositor de linha de comando original. Era conhecido como “New Compositor”, ou “Nuke”, e acabou por ser um apelido apropriado para um produto. Você aprende algo novo a cada dia.

2 – Esta é uma adaptação do texto A brief history of NUKE, de Liz Kynuer, criadora de conteúdo na The Foundry. Na época que o texto foi escrito, em 2016, o Nuke 10 ainda não estava entre nós. hehehe.

Comentários

comments